Como enviar dinheiro para o exterior? Descubra a melhor maneira para seu caso!

Jose Renato Madureira
                 

Você está ou já esteve em dúvida sobre como enviar dinheiro para o exterior? Ou ainda, o movimento contrário, como trazer dinheiro para o Brasil? Se a resposta for sim, esse artigo foi feito para você.

Nosso objetivo nesse artigo é lhe entregar um estudo completo sobre remessas de capital entre países, mais especificamente quando uma das pontas é o Brasil. Para isso vamos passar por três etapas bem definidas. A primeira, se trata de lhe dar o arcabouço legal na qual amparamos nossas pesquisas. Isso para o caso de você querer aprofundar os estudos.

Na segunda etapa, lhe daremos uma retrospectiva histórica. Explicando os motivos pelos quais foram feitas alterações legais quanto à esse respeito no Brasil nos últimos anos.

E a terceira e última etapa, consiste em lhe apresentar 7 opções diferentes de se enviar dinheiro para o exterior, e vice e versa. Vamos lhe apresentar, para cada uma delas, quais são suas taxas, custos, benefícios e desvantagens.

O objetivo do artigo é claro. Ajudar pessoas a escolherem qual é a melhor maneira de ela enviar dinheiro para o exterior, ou trazer seu dinheiro para o Brasil. Já que cada caso é um caso, e existem diversas situações diferentes nas quais você pode se ver necessitado ou querendo fazer transferência de capital entre objetivos.

Legislação referente à remessa de capital ao exterior

Antes de começar a detalhar sobre os meios de transferência de capital para o exterior existentes, vale a pena deixar exposto aqui quais são as normas e regulamentos que versam sobre esse tipo de transação. Neste sentido temos o Decreto nº 6.306/2007, a Lei nº 13.315/2016 e o Decreto nº 9.580/2018.

O primeiro dado relevante a ser trazido à tona está previsto no art.60 da Lei nº 13.315/2016, qual seja que: “Até 31 de dezembro de 2019, fica reduzida a 6% (seis por cento) a alíquota do imposto de renda retido na fonte incidente sobre os valores pagos, creditados, entregues, empregados ou remetidos para pessoa física ou jurídica residente ou domiciliada no exterior, destinados à cobertura de gastos pessoais, no exterior, de pessoas físicas residentes no País, em viagens de turismo, negócios, serviço, treinamento ou missões oficiais, até o limite global de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) ao mês, nos termos, limites e condições estabelecidos pelo Poder Executivo”

Retrospectiva histórica quanto à transferência de dinheiro para o exterior

Dito isso, precisamos falar da atual situação para remessas de capital ao exterior ou de remessas do exterior para o Brasil. Até o inicio desse século, era comum que aqueles que detinham grande volume de capital fizessem remessas do seu capital ganho no Brasil para o exterior, para depois trazer o capital de volta para o pais como investimento estrangeiro. Isso acontecia porque havia certos benefícios fiscais interessantes para incentivar a vinda do capital estrangeiro.

Foi nesses anos que surgiram e se consolidaram as chamadas Offshores, empresas de brasileiros criadas no exterior (tipicamente em paraísos fiscais) com o intuito de servir como forma de planejamento tributário para aqueles com grandes fortunas/rendimentos. Vale ressaltar que nem sempre esse planejamento se configura em ilicitude tributária, a dita evasão fiscal. Muitas vezes isso se tratava basicamente de aproveitar brechas legais e utilizar da inteligência contábil, advocatícia e econômico-administrativa para pagar menos tributos, o que se trata de elisão fiscal, que é legítima e legal.

No entanto, a partir dos anos 2000 em diante, tivemos movimentos no sentindo de tornar essa evasão/elisão fiscal mais difícil. O primeiro movimento veio a partir do próprio Banco Central que emitiu atos administrativos e novos regimentos com a intenção de separar o joio do trigo. Com essas novas definições os incentivos foram mantidos para aquele investimento devidamente vindo do estrangeiro, mas tornou-se mais difícil conseguir comprovar a origem desse capital, o que dificultou que brasileiros residentes no Brasil continuassem a se aproveitar desse tipo de incentivo.

Em seguida o Congresso Nacional em conjunto com o Bacen e a Receita Federal, aprovou leis que previam sanções e multas mais severas para as tentativas de evasão fiscal cometidas por brasileiros. Nesse sentido, a OAB e o CFC também aumentaram as sanções para escritórios de advocacia e contabilidade que forem pegos instruindo seus clientes a cerca de movimentações de evasão fiscal e sonegação de impostos.

Opções para enviar dinheiro para o exterior

Em contrapartida à esses movimentos de dificultar ou aumentar a tributação incidentes nas transações  de remessa de capital para o exterior, ou, do exterior para o Brasil, tivemos por outro lado o desenvolvimento da tecnologia. O que permitiu o surgimento de novas soluções para quem quer, ou precisa, transferir dinheiro de um país para o outro de maneira segura e sem que isso implique no recolhimento de taxas absurdas.

Hoje em dia, existem algumas maneiras mais comuns de se transferir dinheiro entre dois países, cada uma dessas maneiras tem pontos positivos e negativos. Cientes disso deixamos abaixo uma análise completa detalhando quais são as taxas de cada procedimento, como eles funcionam, e claro os benefícios e problemas de cada modelo.

Vale ressaltar que a todo momento temos que tomar decisões como essas. Que impactam significativamente nossa vida financeira. Escolhas assim, normalmente, exigem uma análise completa das variáveis que a envolvem, e, podem ser cruciais para alcançarmos nosso objetivos e sonhos. Nesse sentido recomendamos fortemente que você trate os aspectos financeiros da sua vida com o mesmo cuidado que você tem para outros quesitos que são importantes para você. E, é por isso que fizemos esse artigo sobre planejamento financeiro que pode lhe ajudar a organizar melhor sua vida financeira

Dito isso, vamos aos detalhes de cada uma das opções analisadas:

1º Opção: TransferWise

Como funciona?

O TransferWise é uma plataforma digital que possui diversas contas em mais de 50 países. Para utiliza-la você precisa entrar no site www.transferwise.com e criar um perfil. Após realizar esses passos você pode ir para a página de escolha das moedas que quer transferir e definir os valores que quer transferir. Aí basta que você adicione os seus dados, os dados do beneficiário (a conta bancária no exterior) e confirmar os detalhes da transferência. Isto feito, você poderá escolher entre fazer uma transferencia bancária ou emitir e pagar um boleto no valor da transferência. O dinheiro chegará na conta indicada como beneficiária em até 2 dias úteis após a confirmação do pagamento. Há um limite atualmente de R$ 9.000,00 por mês para pagamentos por boleto e de R$ 30.000,00 para envio de dinheiro via transferência bancária.

Qual(is) a(s) taxa(s) desse modelo?

A taxa do TransferWise atualmente é de 2,42% + R$ 7,00 em todas as transferências. Além disso, cobram o IOF de 0,38% para transferências entre contas de titularidades diferentes e de 1,1% quando é para contas com mesma titularidade.

Benefícios:

. A cotação da moeda estrangeira segue o valor comercial do dia

. O pagamento, além de por transferencia bancaria, também pode ser feita por boleto bancário.

. O depósito cai direto na conta corrente beneficiária

. As taxas cobradas são baixas

Desvantagens:

. É necessário ter uma conta no país para o qual se que mandar o dinheiro para poder utilizar

. Não pode ser utilizado como maneira de pagamento para serviços e empresas

. O valor das transferências é limitado

2º Opção: Western Union

Como funciona?

Para utilizar esse modelo de transferência de capital para o exterior, você deve se encaminhar até uma agência da WU e lá indicar para qual país e cidade você quer mandar seu dinheiro, e quem será o beneficiário. Se você for cliente do Banco do Brasil, esse processo é um pouco mais fácil, você pode ir em uma agencia do BB com função de cambio ou liberar a operação no internet banking e fazer o mesmo procedimento que faria na agência da WU. O beneficiário da sua transferência deverá se encaminhar até a agência da Western Union e la sacar o dinheiro físico, em papel moeda do país destinatário.

Qual(is) a(s) taxa(s) desse modelo?

A taxa da Western Union atualmente é calculada da seguinte forma IOF de 0,38% + 5% + 5 reais para transferências entre R$ 250,00 e R$ 2.500,00, para transferências de valores superiores à esse a taxa é fixa em R$ 125,00, e, para valores inferiores à faixa supracitada a taxa fica fixa em R$ 17,50.

Benefícios:

. Boa cotação da moeda estrangeira

. As taxas cobradas são baixas

Desvantagens:

. Site deixa a desejar se comparado à outros meios

. Existe a necessidade das partes (quem envia o dinheiro – se este não for cliente do BB – e quem recebe ele) irem até uma agência da WU para fazer a transferência

. O saque do dinheiro por quem recebe o dinheiro no exterior só pode ser feito em dinheiro físico

3º Opção: Remessa Internacional por Agência de Câmbio

Como funciona?

Neste modelo você pode enviar dinheiro para o exterior pela internet ou diretamente na casa de câmbio. Varia de Agência de Cambio para Agência de Câmbio, mas geralmente existe pelo menos duas opções de como fazer a remessa de capital para o exterior, a primeira por transferência bancária, em que o dinheiro chega na conta do beneficiário no exterior, ou, via agência, em que o beneficiário tem que se deslocar até a agência da empresa no exterior para buscar o dinheiro. Vale ressaltar que para fazer a remessa nesse modelo é necessário saber o código Swift ou IBAN do Banco Internacional para fazer a operação.

Qual(is) a(s) taxa(s) desse modelo?

Para esse modelo as taxas variam um pouco de acordo com o valor que será remetido para o exterior e também de Agência para Agência. Mas levando e, consideração as taxas da Confidence Câmbio e MoneyGram, chegamos à média de 0,38% de IOF + 50 dólares.

Benefícios:

. Possibilidade e de fazer depósito em conta ou receber o dinheiro em espécie, conforme sua preferência ou necessidade

Desvantagens:

. As taxas e a cotação normalmente costumam ser um pouco acima do mercado

. Pode ser necessário, dependendo da Agência escolhida, que o remetente tenha que se deslocar até uma agência de cambio para enviar a remessa

4º Opção: Depósito em conta brasileira e uso de cartões de débito e crédito no exterior

Como funciona?

Você mantém uma conta no Brasil na qual deixa depositado um dinheiro, ou, recebe seus depósitos normalmente, e, usa o cartão de débito no exterior para sacar a quantia desejada, além de poder pagar coisas no crédito e no débito, e realizar as demais funções disponibilizadas pelo seu banco. Para isso é necessário que seu cartão seja internacional, e, que estava devidamente habilitado para uso no exterior.

Qual(is) a(s) taxa(s) desse modelo?

Neste modelo as taxas variam um pouco de banco para banco também. Vamos utilizar aqui as do Banco do Brasil como exemplo. Para saque no débito: IOF 6,38% + R$ 20,00 + taxa do caixa eletrônico (caso haja). Para uso do cartão para pagamentos diretos (crédito e débito) taxa de 6,38% de IOF + cotação variável.

Benefícios:

. Método mais simples e tradicional de se realizar a remessa

. Praticidade de se utilizar o próprio cartão de crédito e débito

Desvantagens:

. Taxas de saque e cotação de moeda normalmente envolvem maiores custos

. Existem lugares com limites de valor por saque, o que pode gerar pagamentos de mais taxas do que se não houvesse limites pelo fato de haver uma taxa fixa por movimento de saque realizado

5º Opção: Paypal

Como funciona?

Nesse modelo tanto quem irá receber o dinheiro no exterior, quanto que for enviar o dinheiro no país de origem deverão ter contas abertas no Paypal. Isto feito, quem enviará o dinheiro irá realizar um pagamento através da sua conta bancária ou do cartão de crédito e esse valor seria depositado na conta do Paypal do beneficiário. Além disso, esse operação permite a escolha de quem será o pagador das taxas, quem recebe ou que envia o dinheiro. Vale ressaltar que é aconselhável olhar as taxas dos países envolvidos na transação, pois estas podem mudar de país para país, assim sendo pode ser vantajoso, ou não, abrir as contas nos dois países.

Qual(is) a(s) taxa(s) desse modelo?

Caso as contas do PayPal sejam oriundas do Brasil, as taxas são:

. 7,4% + R$ 0,60 para receber um pagamento internacional

. 6,4% + R$ 0,60 para receber um pagamento doméstico

  • 3,5% de taxa de câmbio da conversão da moeda

Caso o beneficiário abra uma conta do Paypal no país em que estiver morando no exterior, as taxas podem ser diferentes. No caso de Portugal, por exemplo, a taxa é bem mais interessante: 4,9% + € 0,35.

Benefícios:

. Bom sistema para quem necessita receber pagamentos de empresas

. É possível criar uma conta para cada moeda que se irá necessitar

Desvantagens:

. As taxas do PayPal brasileira são bastante altas, ainda mais se for necessário realizar a conversão da moeda

. A cotação das moedas não são favoráveis

6º Opção: Correios (Vale Postal Eletrônico Internacional)

Como funciona?

A remetente do dinheiro deve ir até uma agência credenciada dos Correios, informar o nome completo e o endereço do beneficiário do dinheiro, e paga em reais a quantia que deseja enviar. No prazo de 2 a 15 dias úteis, a depender do país de destino, o beneficiário deve se encaminhar até uma agencia credenciada dos Correios mais próxima do seu endereço, como um documento seu com foto para realizar o saque da quantia enviada. É importante frisar que deve se consultar o site dos correios antes para saber quais são os países conveniados para esse serviço.

Qual(is) a(s) taxa(s) desse modelo?

As taxas para esse modo de envio de capital ao exterior é de R$ 35,00 + 1,5% sobre o valor da remessa enviada.

Benefícios:

. Baixas taxas em comparado aos outros serviços

. A conversão da moeda e feita imediatamente no momento do atendimento

Desvantagens:

. É necessário que ambas as partes se desloquem ate uma agência física dos Correios, ou uma Agência Conveniada

. É um serviço que só está disponível para um número limitado de países

. Dentre os serviços de remessa de capital do exterior, está entre aqueles que demoram mais tempo para que a operação de transferencia ocorra

7º Opção: Transferência Bancária Internacional

Como funciona?

Nesse tipo de operação você enviar dinheiro para o exterior a partir de uma conta nacional. Para efetivar a transferência é necessário saber o código Swift ou IBAN do destinatário. De posse dessa informação o remetente pode, ir ao banco nacional ou utilizar o internet banking caso esteja autorizado para isso, e realiza a transação. Vale ressaltar que o processo é um pouco demorado.

Qual(is) a(s) taxa(s) desse modelo?

As taxas podem variar um pouco de banco para banco aqui no Brasil, no entanto a maioria segue essa taxa padrão de mercado: 0,38 de IOF + 1,66% + U$ 100,00

Benefícios:

. É uma noa operação caso você seja cliente de um banco internacional ou banco de investimento que cobre pouco pela transferência.

. Começa a ser um modelo vantajoso caso o valor a ser transferido seja bastante alto

Desvantagens:

. Não vale a pena para transferencias de valores menores

 

Espero que esse artigo tenha lhe ajudado a conhecer e a escolher a melhor maneira de enviar dinheiro para o exterior para o seu caso em específico. Comenta aqui em baixo qual das opções você vai usar. Dessa maneira você pode ajudar outros a tomar sua decisão também! Dúvidas e complementações também são bem aceitas! 😉

Deixe o seu comentário

Simplicidade, rentabilidade e segurança.

Descubra como é fácil investir com a Monetus.

Comece agora