Entenda as mudanças de juros de cartão de crédito

Por Vitor Tito

Em dezembro de 2016 foi anunciada uma mudança de juros de cartão que afetará tanto os consumidores quanto as operadoras de cartões de crédito, mas que ainda depende da regulamentação no CMN (Conselho Monetário Nacional) para entrar em vigor.

Dentre as medidas sugeridas, incluem-se a redução do tempo médio de pagamento das operadoras de cartão para os lojistas e regulação da cobrança de valores em máquinas de cartão de crédito, independente da bandeira.

Além disso, mudanças estão também previstas para a cobrança de juros cartão de crédito (principalmente o rotativo).

O que são juros rotativos?

Juros rotativos podem ser enquadrados na categoria dos “créditos emergenciais”. Assim como o cheque especial, essa é uma modalidade de crédito com limites pré-estabelecidos e autorização quase que automática. No caso do cartão de crédito, ela aparece quando a pessoa opta por pagar apenas o valor mínimo exigido por mês.

Apesar de parecer um bom negócio no começo, essa parcela restante acaba sendo assolada por altas taxas de juros, o que pode até quadruplicar o seu valor final dentro de um ano.

O valor dos juros do crédito rotativo é bem mais alto por conta do risco de inadimplência e, principalmente por isso, precisam ser evitados a todo custo caso você não queira entrar em uma bola de neve com os juros do cartão de crédito

E o que muda?

A medida pretende baixar de 450% para 150% de juros rotativos ao ano para compras parceladas no cartão de crédito. Apesar da redução, esse valor ainda continua maior do que os juros de crédito pessoal (136%) e o consignado (30% ao ano).

Com isso, o cliente também acaba ganhando mais tempo para pagar sua dívida no banco, reduzindo as chances de comprometimento de sua renda e até de inadimplência (o que leva a um nome sujo na praça).

Não só isso, a medida também pretende limitar o tempo de permanência do cliente no rotativo. Ou seja, depois de 30 dias o usuário terá sua dívida obrigatoriamente parcelada para acelerar o seu pagamento.

Quais alternativas para o crédito rotativo?

Enquanto essa medida não é aprovada, é importante fazer o máximo para evitar cair nessa modalidade de crédito, que ainda conta com juros do cartão de crédito elevadíssimos.

Primeiramente, é preciso cuidar na hora de fazer suas dúvidas. Um pouco de prevenção não machuca ninguém e, no caso da sua carteira, pode evitar um rombo enorme.

Evite pagar o valor mínimo da sua fatura todo mês. Se não há como pagar o valor pedido, por qualquer motivo que seja, evite fazer novas dívidas e priorize o pagamento daquelas já existentes.

Em último caso, é sempre possível buscar uma alternativa com juros menores para cobrir o rotativo. Apesar de tudo, porém, essa deve ser uma solução de emergência. Contrair novas dívidas para pagar antigas é suicídio financeiro – que deve ser evitado a todo custo.

De todo modo, é preciso que você esteja atento com suas finanças. Apesar das medidas ajudarem na redução de crédito e melhorarem as condições de pagamento, o ideal é que você não faça dívidas e evite sempre o parcelamento com juros.

Quer entender mais sobre o assunto? Então aproveite para ler sobre as principais diferenças entre lucratividade e rentabilidade.

Categoria:

Simplicidade, rentabilidade e segurança.

Descubra como é fácil investir com a Monetus.

Comece agora