Fundos de investimento: Tudo o que você precisa saber

Vinícius Soares
           

Saiba tudo sobre o investimento preferido dos milionários

Você já ouviu falar sobre fundos de investimento? Quer saber como começar a investir neles e ganhar mais dinheiro? Ou já investe em fundos quer saber como escolher os melhores? Então este artigo é para você.

Nos últimos anos, centenas de milhares de investidores começaram a deixar de lado investimentos tradicionais como a poupança, mas que oferecem uma rentabilidade baixíssima, e passaram a buscar diferentes tipos de investimento.

Hoje, os fundos de investimento são uma das modalidades de investimento mais populares entre os grandes investidores. Em países como os Estados Unidos, os fundos de investimento já se popularizaram há muito tempo.

Com o objetivo de te ajudar a investir melhor, preparamos este guia com tudo o que você precisa saber sobre fundos de investimento. Abaixo você pode conferir uma prévia do que você vai encontrar neste guia:

Qualquer dúvida que você tenha, fique a vontade para comentar no final da página que teremos o maior prazer em respondê-la.

O que é um fundo de investimento

Fundos de investimento são uma forma de investimento em que várias pessoas reunem seus recursos para investir de forma coletiva no mercado financeiro.

Os investidores de fundos de investimentos são chamados de cotistas, isso porque ao investir em um fundo o investidor recebe uma quantidade de cotas proporcional ao valor que ele aplicou. Quem aplica mais dinheiro tem direito a um número maior de cotas.

A gestão dos fundos de investimento fica a cargo de gestores profissionais de investimento. Esses gestores são pessoas que se dedicam o dia todo a selecionar os melhores ativos para o fundo de investimento. Buscando sempre os melhores retornos para o dinheiro dos cotistas.

Os fundos são regulados pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), uma autarquia do governo que funciona como um xerife do mercado financeiro, zelando pelo respeito às regras.

Como funciona um fundo de investimento?

Os fundos de investimento são uma forma bem prática de investir de forma diversificada e alcançar melhores retornos.

Ao colocar seu dinheiro em um fundo de investimento, você junta o seu dinheiro ao de várias outras pessoas e ganha mais poder de barganha para comprar os melhores ativos disponíveis.

Um exemplo simples: Vamos pensar que você dispõe de R$ 10 mil para investir. Com esse dinheiro, você tem acesso a alguns tipos de investimentos.

Agora vamos pensar que você investiu em um fundo de investimento que conta no total com 1.000 investidores, os quais assim como você tem R$ 10 mil para investir.

O patrimônio desse fundo é então de R$ 10 mil x 1.000 = R$ 10 milhões!

Como essa quantidade de dinheiro, você tem acesso a uma gama muito maior de investimentos, os quais antes estavam restritos apenas para multimilionários.

Um gestor de investimentos experiente com acesso a esse capital, pode empregar estratégias de investimento sofisticadas para fazer o seu dinheiro render muito mais.

E o mais interessante é que você não precisar ter R$ 10 mil, nem mesmo R$ 1 mil para começar a investir em bons fundos. Hoje já é possível investir em bons fundos de investimento com apenas R$ 100. Se você quiser ver e comparar as melhores opções de fundos de investimento do Brasil, acesse nosso comparador, la você encontra o ranking por tipo de fundo de mais de 25 mil fundos cadastrados no Brasil.

Quais são os tipos de fundos de investimento disponíveis no mercado?

Existem inúmeros tipos de fundos de investimento que seguem diferentes estratégias de investimento. Cada estratégia possui um risco e um retorno associado a ela. Vale lembrar que quanto maior o potencial de retorno de um fundo, maior o risco dele também.

De forma resumida, podemos classificar os fundos de investimento em sete tipos de acordo com suas características:

  • Fundos de curto prazo
  • Fundos de renda fixa
  • Fundos de debêntures incentivadas
  • Fundos multimercados
  • Fundos de ações
  • Fundos cambiais
  • Fundos imobiliários

Aqui abaixo você encontrará uma explicação simplificada sobre cada um desses 7 tipos de fundos de investimento. Mas caso você queira saber mais a fundo sobre suas especificidades, fizemos um artigo específico para cada um deles. Em cada um dos tópicos abaixo deixamos um link para o artigo específico sobre o referido tipo de fundo. Espero que eles lhe sejam úteis! Mas de qualquer forma, vamos para o resumo:

Fundos de curto prazo

Os Fundos de Curto prazo, ou Fundos DI, são fundos que tem como objetivo reproduzir as variações das taxas de juros através de investimentos em títulos públicos federais ou títulos privados com baixo risco de crédito.

Usualmente esses ativos tem sua rentabilidade atrelada à variação das taxas Selic ou ao CDI. São investimentos considerados conservadores e indicados pra investidores que querem correr o mínimo de risco.

Fundos de renda fixa

Os Fundos de Renda Fixa são fundos que buscam retorno por meio de investimentos em ativos de renda fixa prefixados ou pós-fixados como títulos públicos, títulos privados, debêntures, entre outros.

Os fundos de renda fixa em geral possuem baixo risco e são indicados para investidores conservadores, especialmente aqueles que buscam um bom rendimento sem abrir mão da segurança.

Fundos de debêntures incentivadas

Os fundos de debêntures incentivadas são fundos especiais que possuem isenção do imposto de renda para pessoas físicas.

As debêntures são utilizadas pelas empresas para contrair empréstimos junto a pessoas físicas e jurídicas. É como se você estivesse emprestando dinheiro para as empresas.

Ao investir em debêntures de empresas de infraestrutra, esses fundos buscam ser alternativas para aqueles clientes que querem melhores retornos mas não querem correr muito risco.

A isenção de imposto de renda torna os fundos de debêntures incentivadas uma ótima opção de investimento.

Fundos multimercado

São fundos que tem como objetivo diversificar os investimentos em diversas classes dica ativos, como renda fixa, ações, juros, câmbio e commodities, tanto no mercado doméstico quanto internacional.

Os fundos multimercado são similares aos famosos hedge funds americanos. Por não terem compromissos de investir em nenhuma classe de ativo específica, os gestores tem grande liberdade para testar diferentes estratégias.

Este tipo de fundo é uma ótima forma de diversificar seus investimentos de forma simples. No entanto, antes te investir em um fundo multimercado, é importante ficar de olho no nível de risco do fundo e procurar respeitar sempre seu perfil de investidor.

Fundos de ações

Os fundos de investimento em ações são fundos que investem pelo menos 67% do seu patrimônio em ações de empresas negociadas na bolsa de valores.

Esses fundos buscam usualmente superar o desempenho de algum índice de referência do mercado de ações, como o Ibovespa. O Ibovespa é um indicador que mede o desempenho de algumas das empresas mais importantes do mercado de capitais brasileiro.

Fundos de ações são uma excelente alternativa de investimentos se você estiver investindo para o longo prazo. Caso você queira saber mais sobre o que esperar ao investir na bolsa de valores, recomendamos a leitura deste artigo.

Fundos cambiais

Os fundos cambiais são fundos que aplicam pelo menos 80% da carteira em ativos relacionados direta ou indiretamente à moeda estrangeira, como o dólar e o euro por exemplo.

Como os retornos dos fundos cambiais estão ligados diretamente às variações do câmbio, geralmente possuem alto risco e só são recomendados para investidores mais agressivos.

Fundos imobiliários

Os Fundos imobiliários, famosos FIIs, são fundos que tem como objetivo obter rendimentos ganhos de capital por meio do investimento em empreendimentos imobiliários, para sua locação, arrendamento, compra e venda, incorporação e/ou construção. São um bom instrumento de diversificação dos investimentos, principalmente para quem gosta de investir em imóveis.

Os fundos imobiliários são uma boa alternativa ao investimento em imóveis tanto pelo fator de diversificação, na maioria das vezes você investe em vários imóveis diferentes, quanto pela maior liquidez, facilidade de se desfazer do investimento.

Vale ressaltar que os fundos imobiliários, diferentemente dos outros fundos mencionados, são negociados diretamente na bolsa de valores.

Fundos de investimento são seguros?

Os fundos de investimento são uma classe de investimentos regulamentada por lei e bastante segura.

Antes de poderem ser oferecidos aos investidores, os fundos de investimento precisam ser aprovados pela CVM, o xerife do mercado financeiro brasileiro. Ao investir o seu dinheiro, recomendamos que você confira se o fundo está registrado no site da CVM.

Outra instituição importante no mercado financeiro é a Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), a qual representa as instituições do mercado de capitais brasileiro.

A Anbima atua no sentido de representar, autorregular, informar e educar o mercado de investimentos no Brasil. Sua atuação traz mais transparência e clareza para os investidores de fundos.

Vale ressaltar que enquanto ativos como a poupança, CDBs, LCIs e LCAs, são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), os fundos de investimento não possuem a mesma garantia. Caso o fundo sofra uma perda, o cotista acarará com os prejuízos.

Outro ponto importante para atentar-se é se o fundo é alavancado ou não. A alavancagem basicamente é o processo de o fundo investir um patrimônio superior ao investido pelos cotistas através da contração de empréstimos.

Apesar de os fundos alavancados possuírem maior potencial de retorno, as perdas podem superar o valor investido e fazerem com que o investidor tenha que aplicar mais recursos para cobrir os prejuízos.

Quais são as taxas cobradas nos fundos de investimento?

Os fundos de investimento possuem duas taxas principais: a taxa de administração e a taxa de performance.

Taxa de administração

Assim como quem mora em condomínio de apartamento tem que pagar uma taxa mensal para manutenção do prédio, o cotista de um fundo de investimento tem que pagar uma taxa para manutenção do fundo.

A taxa de administração é um encargo cobrado pelo administrador do fundo como remuneração pela prestação dos serviços de administração, gestão da carteira, e demais serviços necessários ao bom funcionamento do fundo. Ela incide sobre todo o valor investido.

Fundos de renda fixa geralmente tem taxas de administração abaixo de 1,00% ao ano (fundos com taxas superiores usualmente não apresentam um desempenho satisfatório). Não é incomum ver fundos de renda fixa de grandes bancos cobrando taxas abusivas de quase 4% ao ano, por isso é importante ficar atento a esses valores.

Já fundos multimercado e de ações geralmente tem taxas de administração por volta de 2,00% ao ano. Como o potencial de retorno desses fundos é superior, a taxa maior na maioria das vezes se justifica.

Taxa de performance

A taxa de performance por sua vez é uma taxa especial que incide caso o gestor supere o desempenho de um índice pré-estabelecido, como o CDI ou o Ibovespa.

O discurso por traz da taxa de performance é de que ela alinha os interesses do gestor com o do investidor, quanto mais o investidor ganha, mais o próprio gestor ganha.

Essa taxa é bastante comum nos fundos multimercado e de ações. A taxa de performance mais comum no mercado é de 20% sobre o que exceder o índice (benchmark) definido.

Exemplo da taxa de performance: imagine um fundo que usa o Ibovespa como índice de referência e cobra uma taxa de performance de 20%. Em determinado ano, a variação do Ibovespa foi de 25%, enquanto o rendimento do fundo foi de 40%.

Ibovespa: 25%

Rendimento do fundo: 40%

Rendimento – benchmark = 15%

Taxa de performance: 20% de 15% = 3% do patrimônio

Outras taxas

Alguns fundos possuem taxas de carregamento que podem incidir sobre as aplicações (entrada) ou resgates (saída) realizados. Assim, mais uma vez fica o alerta: procure analisar com cuidado a lâmina e o regulamento do fundo antes de investir.

Quais impostos incidem sobre os fundos de investimento?

Os fundos de investimento sofrem a incidência de IOF e Imposto de Renda.

IOF

O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) é cobrado apenas caso o resgate seja realizado em menos de 30 dias após a aplicação dos recursos. O imposto varia de 96% a 0% do rendimento, conforme o prazo em que os recursos ficaram aplicados.

Imposto de Renda

Nos fundos de investimento, o imposto de renda incide de forma diferente para cada tipo de fundo.

Os fundos de renda fixa de curto prazo tem seus rendimentos tributados em 22,5% caso a aplicação seja resgatada em menos de 180 dias e em 20% caso o resgate ocorra depois desse prazo.

Já os fundos de renda fixa, que não sejam de curto prazo, e os fundos multimercado tem seus rendimentos tributados conforme o tempo em que o dinheiro fique aplicado. Abaixo você confere a tributação para esses tipos de fundos:

  • Até 180 dias: 22,50% do rendimento;
  • De 181 a 360 dias: 20% do rendimento;
  • De 361 a 720 dias: 17,50% do rendimento;
  • Acima de 720 dias: 15% do rendimento;

Por sua vez, os fundos de debêntures incentivadas tem seus rendimentos isentos do imposto de renda.

Por fim, fundos de ações tem seus rendimentos tributados em 15%, independentemente do tempo que o dinheiro fique aplicado.

Come-cotas

Os fundos de investimento tem um mecanismo especial para cobrança do imposto de renda. A cada seis meses, mais precisamente nos meses de maio e novembro, o governo antecipa o imposto de renda devido em aplicações feitas nos fundos de investimento, com exceção dos fundos de ações.

No último dia útil dos meses de maio e novembro, o governo cobra a menor alíquota de imposto possível para aquele fundo: 20% para os fundos de curto prazo, 15% para todos os outros.

Posteriormente, caso haja alguma diferença entre a alíquota da tabela regressiva e a alíquota antecipada, o valor restante é pago no momento do resgate.

Vamos a um exemplo: Vamos supor que você investiu uma quantia em um fundo no dia 10/01/2017 e resgatou oito meses depois, em 10/09/2017.

No último dia útil de maio, o “come-cotas” incide pela menor alíquota possível para aquele fundo, isto é, 15% do rendimento no período caso ele seja de longo prazo. A cobrança é feita através de um resgate automático que diminui o seu número de cotas no fundo, daí o nome come-cotas.

No momento do resgate, você pagará a diferença entre a alíquota antecipada e a da tabela regressiva de Imposto de Renda. Como o valor foi resgatado em menos de 180 dias, a alíquota da tabela é 22,5%. Você pagaria, então, mais 7,5% sobre o rendimento da aplicação.

Qual o melhor momento para investir em fundos de investimento?

Muitos investidores gostam de se gabar dizendo que sabem o que comprar e vender, e quando comprar ou vender.

Nós acreditamos que adivinhar o momento certo de investir ou resgatar o seu dinheiro é quase impossível. Por isso, recomendamos que você defina a melhor carteira de investimentos através de uma análise do seu perfil de investidor.

Se você investir regularmente, mantiver o seu portfólio balanceado e seguir o seu perfil de investidor, é bem provável que você alcance bons retornos aplicando em fundos de investimento.

O que acontece quando alguém tenta achar a melhor hora de investir?

Na prática, vamos dar uma olhada no custo que resgatar os seus investimentos por impulso ou ficar tentando achar a hora certa de entrar e sair do mercado pode ter.

O gráfico abaixo, elaborado com base em dados da equipe de gestão do J.P. Morgan, ilustra o quanto uma simples decisão pode afetar bastante a sua rentabilidade.

Ao avaliar o retorno histórico do S&P 500 — índice da bolsa de valores americana similar ao Ibovespa, referente às 500 empresas mais relevantes dos EUA — entre janeiro de 1995 e dezembro de 2014, eles mediram o impacto que perder os melhores dias da bolsa de valores no período teria sobre a rentabilidade de um investimento inicial de $ 10 mil.

Você pode interpretar a primeira barra do gráfico acima como: Se eu tivesse investido $ 10 mil na bolsa de valores em janeiro de 1995 e não fizesse mais nada, apenas assistisse a evolução do mercado, até dezembro de 2014, eu teria acumulado quase $ 65 mil e meu retorno anual médio seria de 9,85%.

A segunda barra pode ser interpretada como: se eu tivesse investido na bolsa de valores no período entre janeiro de 1995 e dezembro de 2014, e por alguma razão resgatei o meu dinheiro de forma a perder os 10 melhores dias da bolsa de valores nesse período, eu teria acumulado aproximadamente $ 33 mil e meu retorno anual médio seria de 6,10%.

Conclusão: Perder apenas os 10 melhores dias da bolsa de valores, em meio a quase 20 anos* de investimentos, reduziria em 50% a sua rentabilidade. Colocando em números: você teria deixado de ganhar aproximadamente $ 32 mil.

*5532 dias úteis

Qual a rentabilidade dos fundos de investimento?

No final das contas, todos nós investimos para ganhar mais dinheiro. Aí vem a dúvida, é possível alcançar bons retornos investindo em fundos?

A verdade é que é sim possível alcançar ótimos retornos investindo em fundos de investimento.

O que é bom lembrar é que maiores retornos vem acompanhados de maiores riscos. Um fundo que rendeu 5% em apenas um mês pode muito bem dar um prejuízo de 7% no próximo mês.

Fundos de renda fixa conservadores bons geralmente entregam retornos entre 100—110% do CDI de forma segura.

Um retorno de 110% do CDI é cerca de 50% superior ao da poupança.

Hoje há diversas opções de fundos de investimento de renda fixa que entregam retornos nessa faixa. Um deles é o fundo de renda fixa da Monetus. O melhor de tudo é que você já pode começar a investir nele com apenas R$ 100.

Por sua vez, ao diversificar os investimentos em várias classes de ativos, fundos multimercado bons conseguem entregar rentabilidades que chegam a 200% do CDI. Lembrando que esses fundos geralmente possuem risco maior que os fundos de renda fixa.

Agora quando o assunto são rentabilidades expressivas, os fundos de ações são as grandes estrelas. Ao investir em papéis de diversas empresas listadas na bolsa de valores, eles conseguem entregar rentabilidades de 40%, 50% ou até mesmo 70% em um ano!

No entanto, como sabemos, grandes retornos vem acompanhados de grandes riscos. Um exemplo disso é o fundo de ações Alaska Black FIC FIA, que rendeu 74,62% em 2017, mas neste ano, chegou a perder 30% em poucos meses.

Assim, procure arriscar apenas uma pequena parcela do seu dinheiro em fundos muito agressivos.

Caso você tenha interesse em começar a investir em um fundo de ações com gestão profissional, o Monetus FIA é uma ótima opção. Nosso fundo de ações foi o segundo melhor fundo do país em 2017, com retornos de 57,92% no ano.

Como começar a investir em fundos?

Para começar a investir em um fundo de investimento é necessário abrir a conta em alguma corretora de valores ou então em uma gestora de investimentos digital como a Monetus.

Abrir uma conta tanto na Monetus quanto na maioria das corretoras é um processo simples, seguro e gratuito.

Depois de abrir sua conta na instituição escolhida, é preciso transferir o valor que você quer investir para sua nova conta.

Uma vez que os recursos estejam disponíveis para aplicação chega a hora de investir!

Nas corretoras você geralmente tem que escolher entre dezenas de diferentes fundos de investimento, um processo que muitas vezes pode se tornar bem complexo.

Por sua vez, na Monetus você recebe uma carteira de fundos personalizada com os melhores gestores do Brasil e seu dinheiro é aplicado de forma automática.

A Monetus tem vários diferenciais em relação às corretoras, sendo alguns deles:

  • Investimento mínimo de apenas R$ 100
  • Carteiras de investimento exclusivas compostas pelos melhores gestores do país
  • Plataforma 100% digital e simples de usar
  • Assessoria financeira personalizada com nossa equipe de planejadores financeiros
  • Sistema automatizado de investimento, você transfere o dinheiro e cuidamos de todo o resto

Abrir uma conta na Monetus é grátis e leva menos de 8 minutos.

Conheça 10 vantagens de se investir em fundos de investimento

Como você já deve ter visto, os fundos de investimento possuem várias vantagens. Para facilitar seu processo de escolha, listamos abaixo as 10 maiores vantagens de se investir em fundos de investimento.

1. Gestão profissional

Ao investir seu dinheiro em fundos de investimento, você passa a contar com um gestor profissional que vai buscar sempre as melhores oportunidades de investimento. Sempre com o objetivo de entregar a maior relação de risco e retorno.

2. Diversificação

Fundos de investimento oferecem a oportunidade de diversificar os seus investimentos em diferentes classes de ativos tais como: juros, ações, moedas e commodities tanto no Brasil como no exterior. A diversificação é uma ótima estratégia para maximizar seus retornos no longo prazo.

3. Praticidade

Os fundos de investimento são uma ótima opção para quem tem pouco conhecimento sobre o mercado financeiro ou tempo para acompanhá-lo. Como a gestão fica por conta de um gestor profissional, você pode relaxar sabendo que alguém experiente e dedicado está cuidando dos seus investimentos.

4. Acessibilidade

Muitos fundos de investimento tem investimento mínimo na faixa de R$ 1.000,00. Alguns fundos que vem com a proposta de democratizar o acesso aos bons investimentos, como é o caso dos fundos da Monetus, tem investimento inicial de apenas R$ 100!

Hoje já não existe espaço para aquela velha desculpa de que investir é só para milionários.

5. Liquidez

Boa parte dos fundos no mercado permitem o resgate do dinheiro investido em poucos dias. Alguns possuem até mesmo liquidez diária, ou seja, ao solicitar um resgate, no mesmo dia o dinheiro fica disponível na sua conta.

6. Transparência

As informações mais importantes sobre os fundos de investimento ficam disponíveis para o cotista através do regulamento e da lâmina de divulgação. Além disso, todos os valores de rentabilidade divulgados já são líquidos das taxas de administração e performance, de forma que o que você vê é o que realmente ganhou.

7. Facilidade no resgate

A cobrança do imposto de renda e do IOF é feita de forma automática no resgate. A grande vantagem é que o investidor não precisa se preocupar nem em calcular nem em recolher os impostos.

8. Crescimento consistente

A indústria de fundos de investimentos vem crescendo consistentemente ano após ano. Para você ter uma ideia, hoje há mais R$ 4,7 trilhões investidos em fundos. Isso são mais de duas vezes o PIB do Brasil em 2017.

9. Segurança

Fundos precisam seguir regras rígidas de operação, sendo auditados anualmente por empresas independentes. Além disso, eles são fiscalizados de forma rigorosa pela CVM, o xerife do mercado financeiro.

10. Proximidade com os gestores

Hoje, além de divulgarem mensalmente as famosas “cartas do gestor”, nas quais expõe suas estratégias e abordam os principais conhecimentos que afetaram os seus investimentos no período, muitos gestores figuram frequentemente em vídeos no YouTube.

Conclusão

Os fundos de investimento são aplicações que oferecem boa rentabilidade, praticidade e acessibilidade para qualquer tipo de investidor.

Hoje, com a ajuda da Monetus, é possível começar a investir nos melhores fundos de investimento do Brasil com apenas R$ 100.

Ao contarem com uma gestão profissional, os fundos de investimento conseguem alcançar boas rentabilidades e oferecem uma excelente alternativa de diversificação.

Um ponto que vale ressaltar mais uma vez é que fundos com altos retornos vem acompanhados de maior risco. Assim, é importante procurar sempre respeitar o seu perfil de investidor e evitar concentrar seu dinheiro em fundos muito agressivos.

Para descobrir agora o melhor fundo de investimento para o seu perfil, abra sua conta na Monetus. É rápido, seguro e gratuito.

Gostou deste artigo sobre fundos de investimento? Ficou com alguma dúvida? Então deixe um comentário abaixo que teremos o maior prazer em respondê-lo.

Deixe o seu comentário

Simplicidade, rentabilidade e segurança.

Descubra como é fácil investir com a Monetus.

Comece agora