Rendimento do Tesouro Direto: tudo o que você precisa saber

Por Vitor Tito

Você provavelmente já sabe que o Tesouro Direto é uma alternativa bem melhor do que a poupança, mas sabe também como ele funciona?

Essa opção de investimento em títulos públicos vem ganhando cada vez mais espaço dentre a população, mas é fundamental entender muito bem como funciona cada opção para que sua escolha seja acertada.

O que é o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um programa online surgido em 2002 para a negociação de títulos públicos federais diretamente com pessoas físicas, fazendo parte do Programa do Tesouro Nacional.

O objetivo desse projeto era viabilizar o acesso da população diretamente aos títulos públicos, por isso o nome Tesouro Direto. Essa é uma alternativa de investimento de baixo risco, que permite pequenas aplicações, mínimo de R$30.00 com boa rentabilidade e liquidez diária.

Vale a pena investir no Tesouro Direto?

Avaliar se o investimento vale ou não à pena depende de uma série de fatores individuais a cada pessoa, mas podemos enumerar as principais vantagens dessa alternativa para que você avalie de acordo com suas condições:

  • Baixo Risco envolvido;
  • Alternativa de variação entre prefixado e pós-fixado
  • Liquidez Diária;

Não é só isso, sabemos hoje que o Tesouro Direto é uma alternativa muito mais rentável que a poupança, portanto vale a pena considerar o rendimento do Tesouro Direto como uma solução.

Entenda como funciona o cálculo de rendimento do Tesouro Direto

No Tesouro Direto existem duas alternativas principais: o prefixado e o pós-fixado. O cálculo variará de acordo com cada modalidade e suas condições de investimento.

Para um resultado preciso, você pode usar da calculadora oficial do Tesouro, que já prevê, inclusive, a possibilidade de venda antecipada. Para utilizá-la, é só preencher os 8 campos disponíveis, como segue:

  1. Título: Aqui você escolhe o título que mais lhe interessa, sem se esquecer de sempre avaliar as questões de rendimento e taxa de juros utilizada.
  2. Data da Compra: Preencha com a data de compra do título.
  3. Data do Vencimento: Insira a data de vencimento de acordo com a tabela disponibilizada no próprio link.
  4. Valor Investido: Lembre-se de inserir pelo menos 1% do valor do título, com um mínimo de 30 reais para investimento.
  5. Taxa do papel na compra (%a.a.): Preencha com o valor também indicado na tabela oficial.
  6. Taxa de administração do banco/corretora (%a.a.): Insira aqui a taxa utilizada por sua corretora ou banco.
  7. Taxa Selic para o Período (%a.a.): Caso você opte pela alternativa do LFT, basta preencher aqui a estimativa da Selic para o período.
  8. Taxa de Inflação (IPCA) para o Período (%a.a.): Essa alternativa aparece se você escolher o Tesouro Direto IPCA+ ou Tesouro Direto IPCA+ com juros semestrais (NTN-B). Basta buscar os dados aqui e fazer o preenchimento.

Em seguida clique em Calcular e você terá os principais resultados para a previsão do rendimento.

Lembre-se de que esse valor é apenas uma estimativa, mas é fundamental de ser analisado antes de optar por qualquer título do tesouro direto

Gostou? Então aproveite para compartilhar esse post e não perca nosso texto sobre a busca pela estabilidade financeira!

Categoria: , ,

Simplicidade, rentabilidade e segurança.

Descubra como é fácil investir com a Monetus.

Comece agora